Duhan-Castil: O tomo de Kradór (Décima parte)

Duhan-Castil: O tomo de Kradór (Décima parte)

Duhan-Castil: O tomo de Kradór (Décima parte)

Duhan-Castil: O tomo de Kradór (Décima parte)

Na procura de um tomo, nossos heróis encontram um poderoso inimigo. Aproveitem a décima parte de O tomo de Kradór. A história já está quase no fim.

Esse conto é sobre a busca de um tomo sagrado que foi perdido durante a batalha pela tomada da montanha de Duhan-Castil. Porém, no desenrolar da história, é mostrado outros aspectos como as galerias do reino, as classes e clãs que ali vivem e etc. 
É importante que o leitor conheça todo material sobre Duhan-Castil que está postado no blog moostache.com.br.
Leia diretamente aqui no blog, ou baixe para ler depois!

 

(…)

 

Por mais sérios que fossem os ferimentos de Lins e Tarmaruk, eles não corriam risco de morrer. Coloquei seus corpos deitados lado a lado, encontrei o machado do bárbaro e coloquei junto a ele. Ergui minhas mãos sobre seus corpos e invoquei a magia de cura:

– Poderoso deus Kradór, traga um novo alento a esses bravos guerreiros para que possam continuar essa missão em seu nome.

A luz saiu de minhas mãos e pousou sobre eles. Quando terminei cai e quase desmaiei, pois, curar ferimentos tão profundos e de duas pessoas ao mesmo tempo consumia muita energia. Mesmo assim depois de alguns minutos reuni minhas forças para vasculhar os arredores e garantir que estaríamos seguros. A recuperação de meus amigos seria demorada e eu exausto demais, cai no sono.

Na manhã seguinte acordei com muita dor no corpo. Preocupado demais com meus amigos esqueci de curar meus ferimentos. Minha primeira atitude foi orar à Kradór e encher-me de fé novamente. Curei meus ferimentos e fui conferir a saúde dos dois. Ainda estavam inconscientes, mas tinham boa respiração e a pulsação estava normal. Era uma questão de horas para que acordassem.
Fiz um rápido dejejum com as últimas raízes que tínhamos, acendi minha tocha e sai pela galeria. Outras tochas estavam acesas e a iluminação era boa.

Na antecâmara eu sabia que não encontraria nada. Lá era cenário de batalha e apenas restos mortais e de armas jaziam no chão. Ela era um pouco maior que a sala anterior e seu teto era mais alto. Um grande altar ficava no centro ao fundo e nas paredes e nas paredes ao redor havia outros altares menores. Eram mais seis no total, três a direita e três a esquerda. Entre esses altares haviam pequenos nichos com pedaços rudimentares de madeira que formavam prateleiras. Poucos livros estavam nos lugares pois a maioria estava no chão de forma revirada. Na verdade, tudo naquela câmara estava revirado como se um furacão passasse por ali. Eu não sabia por onde começar.

Depois de um tempo pensando resolvi colocar os livros nas prateleiras. Era uma forma de organizar a bagunça e ter por onde andar, pelo menos.
Fiquei surpreso com a quantidade de exemplares raros que estavam ali, principalmente os de conteúdo arcano e divino. A tendência caótica era evidente na maioria, mas encontrei uns poucos de conhecimento benigno. Fiquei imaginando como foram parar ali e logo lembrei de Jorén e do Tomo de Kradór e de como o clérigo fora atraído e subjugado a entregar o livro naquela câmara.
Folheei esses livros e encontrei alguns ritos e orações importantes. Guardei-os para mim, não deixaria tais raridades esquecidas naquele local imundo e profano.

Depois de organizar os livros fui procurar nos pequenos altares. Eles eram dedicados a deuses menores e semideuses, todos malignos. Objetos ritualísticos como velas e cálices estavam espalhados por todo lado, mas nada de Tomo.
A procura nos livros e altares durou a metade do dia e meu estomago roncou. Eu sabia que meus amigos também sentiriam fome quando acordassem e resolvi procurar alimento.
Na parede atrás do grande altar encontrei uma pedra móvel que se abria para um extenso corredor. Não era uma passagem secreta, mas sim uma passagem discreta.
Nos primeiros passos eu já percebi que se tratava dos aposentos dos elfos negros. Três portas de cada lado e uma no meio, no fim do corredor. Comecei pela direita e deixei a do meio por último. Vasculhei quarto por quarto e por fim, o provável quarto do líder Telênos.
Obviamente, nada encontrei sobre o Tomo. Mas encontrei alimento, as raízes que Tarmaruk nos apresentou, porém elas estavam velhas e mofadas. Comi algumas com muito esforço e deixei as outras próximas de meus amigos. Seria uma péssima refeição, mas era o que tínhamos.

De volta na câmara eu cheguei à conclusão de que, se o Tomo de Kradór estava ali, ele estava escondido magicamente. Eu não conhecia nenhuma magia divina para localizar coisas então resolvi procurar nos livros que encontrei.
Passei algumas horas folheando atenciosamente cada livro. Foquei apenas nos religiosos, afinal arcanismo não era meu forte. Fiquei impressionado com a quantidade de orações magicas aqueles elfos tinham em mãos. Encontrei, inclusive, uma de ressurreição como a que eles precisavam e que estava no Tomo de Kradór. Porém essa exigia o sacrifício de quem a conjurasse. Uma vida pela outra, os elfos com certeza não queriam aquilo.

Quando já estava quase desistindo de procurar, finalmente encontrei. Era uma magia divina para encontrar objetos sagrados. Uma magia muito usada porque a maioria das bibliotecas e templos continham inúmeros exemplares e símbolos. Seria um inferno ter que procurar algo de forma natural toda vez que se precisasse.  Ela era simples de se realizar, mas somente a fé de um clérigo era capaz de invoca-la. Talvez os sete elfos até a conheciam, mas nenhum deles possuíam tal força abstrata. Pelo menos não a necessária para invocar um item benigno.

Comecei a me preparar, mas antes fui ver meus amigos novamente. Já estava anoitecendo e eles ainda não haviam acordado. Com uma simples magia fiz um diagnóstico preciso da vitalidade dos dois e descobri que acordariam nos próximos minutos. Fiquei feliz com isso pois havia passado um dia inteiro sozinho. Senti falta do humor de Tarmaruk e até do olhar silencioso de Lins.

Voltei para a câmara e iniciei a oração de localização. Ergui meu símbolo sagrado a frente como se estivesse carregando uma lamparina na escuridão e fiquei a observa-lo. Segundo o livro, quando o símbolo brilhasse intensamente é onde estaria o objeto procurado.
Passo a passo, lentamente fui andando pela câmara. O símbolo acendia e depois de alguns passos se apagava, mostrando que eu perdera a direção certa. Então recomeçava o caminho. Foi uma tarefa cansativa, mas enfim o brilho se intensificou e consegui seguir aquela “trilha oculta”. Os últimos passos foram apressados e eles me levavam para a saída da câmara. “será possível que não está aqui dentro?” – Pensei. Mas antes que eu pudesse sair senti a magia que ocultava o tomo de Kradór e ela emanava da porta dupla com a aranha esculpida que estava derrubada no chão.

-É aqui! – Disse gritando, como se alguém pudesse me ouvir. – Está debaixo ou dentro dessa porta!

Eu estava eufórico com a descoberta. A missão estava praticamente cumprida.
Coloquei meu símbolo sagrado de volta no pescoço. Analisei a porta no chão até encontrar um espaço para colocar minhas mãos em baixo e a erguer. Quando encontrei forcei meus braços e ela não se moveu. Eram trinta centímetros de espessura de rocha sólida, com uma altura de cinco metros. Seria impossível levanta-la sozinho.

Fazendo o uso de mais uma magia divina invoquei a força do deus da rocha:
– Poderoso Kradór, que sua força seja minha para que eu possa cumprir meus objetivos em seu nome.

Meus braços brilharam e minha força dobrou. O pedaço de pedra começou a ranger, eu estava conseguindo.

De repente a porta ficou mais leve e se levantou sozinha. Um brilho a envolvia provando que ela estava sendo erguida magicamente. Olhei para trás e em cima do altar estava um elfo negro com olhos vermelhos e cabelos totalmente brancos. Em sua cintura um sabre prateado reluzia as tochas que estavam nas paredes. Sua mão direita estava erguida na direção da porta quebrada e ele a controlava à distância. O sangue gelou em minhas veias.

– Obrigado por encontrar o tomo. -Disse o elfo.

– Quem é você?

– Belúr-Baal é como me chamam.

Era um dos sete elfos negros liderados por Telênos.

Continua…

O Tomo De Kradór Décima Parte

Versão: 08 de novembro, 2017 ▪ Autor: Rafael Alves ▪ Páginas: 9 pág(s) ▪ Downloads: 13

Na décima parte um poderoso inimigo aparece. Será o fim?

 

Download - 3.7 MiB

 

 


Rafael Alves

Jogador/Mestre/escritor de RPG. Co-fundador da Associação Cultural Ethernalys.

Posts Recentes: