Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Nona Parte)

Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Nona Parte)

Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Nona Parte)

Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Nona Parte)

O combate tarda mais não falha. Na nona parte de O tomo de Kradór nossos heróis são ameaçados por um grupo de mortos vivos. É hora de lutar! 

Esse conto é sobre a busca de um tomo sagrado que foi perdido durante a batalha pela tomada da montanha de Duhan-Castil. Porém, no desenrolar da história, é mostrado outros aspectos como as galerias do reino, as classes e clãs que ali vivem e etc. 
É importante que o leitor conheça todo material sobre Duhan-Castil que está postado no blog moostache.com.br.
Leia diretamente aqui no blog, ou baixe para ler depois!

 

(…)

 

– Sim. Brandór juntamente com sua rainha Safira são os pilares de nossa raça nesse mundo. Se ele partir seus filhos ainda não estarão prontos para governar. O mal das profundezas tomara novamente a montanha e o mundo. – Disse aquilo olhando para o vazio, tentando imaginar a proporção da catástrofe.

– Não deixarei que isso aconteça. – Falou o bárbaro enquanto se levantava. – Vamos, temos um livro para procurar.

Naquela noite não dormimos. Eu invoquei uma magia divina que descansou nossos corpos e mentes sem que precisássemos fechar os olhos. Caminhamos pela escuridão de tuneis esquecidos pelo tempo que hora ou outra se bifurcavam, subiam e desciam ladeiras íngremes.

Eu sentia que estávamos nos aproximando da câmara onde tudo aconteceu. Talvez mais um dia ou dois de caminhada.

Tarmaruk mostrava-se muito motivado e andava quase lado a lado com a halfling quebrando nosso protocolo de ela ir na frente procurando armadilhas.

Um certo momento, quando passávamos por um grande umbral, o bárbaro parou de súbito. Caminhou até a parede do lado esquerdo e ficou olhando as rochas. Logo depois colou o rosto e o ouvido como se quisesse escutar algo dentro da parede.

Lins o olhava confusa, mas eu entendia o que ele queria fazer. Nós anões entendemos a rocha como poucos e somos especialistas em encontrar portas e passagens secretas nesse tipo de terreno. Mesmo agora afastado eu também podia ver os sinais que ele viu.

Ainda com o ouvido na parede Tarmaruk colocou suas fortes mãos na rocha e forçou. Um som de pedras se movendo ecoou pelo local enquanto poeira caia em nossas cabeças. Uma porta se abriu e vimos uma galeria larga e com teto alto.

Adentramos com cuidado, mesmo tento quase certeza que não tinha ninguém ali dentro, afinal não vimos mais tuneis ou portas a não ser a que entramos. A halfling estava à frente como sempre e foi a primeira que notou algo estranho:

– Tem um esqueleto bem ali. – Apontou para o fundo da galeria.

Caminhamos naquela direção e constatamos o que Lins disse.

Escorado em uma grande rocha, quase no fundo da galeria estava um esqueleto. Ele vestia uma armadura destroçada por marcas de combate e do tempo. Vários ossos estavam partidos e com sinais de golpes. No meio de seu crânio uma fenda do tamanho exato da lâmina de um machado. A primeira vista o esqueleto não possuía armas ou objetos pessoais. Na rocha em que ele estava escorado, bem ao lado de sua cabeça havia runas anãs com os dizeres:

“Aqui jaz Feinzar, o elfo negro que ousou desafiar Grim.”

Lins também conseguiu ler o idioma e então disse:

– Acho que isso preenche uma lacuna nos diários de Jorén. Grim matou seu perseguidor e o escondeu aqui numa porta secreta que só os anões encontrariam.

– Pelo visto ele realmente era um bom guerreiro. – Falou Tarmaruk.

A ladina vasculhava o esqueleto para ter certeza que nada ficara para trás e na tentativa de achar o sabre de prata que os elfos negros possuíam segundo Jorén. Mas nada encontrou. Falou ela então para Tarmaruk:

– Pelo visto era um bom saqueador também.

Sem mais nada o que fazer ali, saímos. O bárbaro fechou a porta secreta, selando para sempre a tumba de Feinzar.

 

Caminhamos até sentir que era noite outra vez e o bárbaro pediu que eu fizesse a magia novamente. Eu neguei explicando que o efeito não seria tão eficaz como da primeira vez e se precisássemos combater poderia ser nosso fim pois o cansaço viria multiplicado.

Começamos a procurar um local para dormir e logo encontramos. Seguimos os mesmos padrões de vigília e alimentação. Nossa ração para viagem havia acabado e nos restou as raízes que Tarmaruk sempre encontrava pelo caminho.

Na manhã seguinte acordamos bem cedo e continuamos o trajeto. Não tivemos mais contratempos e o silêncio reinou mais que em todos outros dias desde que saímos da prisão de Duhan-Castil. No início da noite chegamos à antecâmara onde aconteceu o sacrifício de Brandór.

Notei que vapores saiam da boca de meus amigos e minha. Lins se abraçava com frio e quase batia o queixo. Até o bárbaro sentiu incomodo.

– Que frio maldito é esse? – E soltou uma série de palavrões na língua anã.

– Não estamos sentindo apenas frio.  – Disse eu. – Estamos sentindo a morte.

Quando olhamos ao redor percebemos que estávamos em um gigantesco cemitério.
Esqueletos de centenas de criaturas jaziam ali, entre eles elfos, anões, orcs e trolls. Muitos deles ainda segurando suas armas. A cena era funesta e eu fiquei imaginando o quão sangrenta foi aquela batalha.
Começamos a caminhar para o centro da antecâmara.

– Eles não enterraram nem os próprios mortos. – Comentou a halfling.

– Depois que colocaram as mãos no tomo, nada mais importava para ele. – Falei.

– O grupo de Brandór era realmente uma seleção dos melhores. – Disse Tarmaruk. – Contei apenas quarenta e sete esqueletos de anões.

– Eram cinquenta no total. – Respondi. – Os outros três que faltam é Grim, que foi embora. Jorén e o rei.

– Apenas cinquenta? – Lins perguntou assustada. Mas aqui tem mais de quinhentos inimigos. Isso sem contar os trolls.

Nesse momento ouvimos um som que vinha de uma pilha de ossos e um esqueleto vestindo trapos de armadura se levantou. Começou a dar passos cambaleantes em meio aos outros corpos, vindo em nossa direção.
Tarmaruk tomou a dianteira, virou de lado seu machado de lâmina dupla como se fosse uma raquete e acertou o esqueleto no meio da caixa torácica. Ossos voaram para todas as direções da antecâmara. O anão sorriu e disse:

– Parece que com um olho só fica mais fácil de mirar! Hahahaha!

Logo em seguida outros esqueletos começaram a levantar. Todos com suas armas e armaduras envelhecidas pelo tempo e em segundos estávamos cercados. Lins, sem ter como se esconder antecipadamente, sacou duas adagas que nas mãos da halfling pareciam duas pequenas espadas.
Empunhei meu escudo e minha maça e tomei posição de combate. Nós três demos passos para trás até ficarmos de costas um para os outros e então o inimigo avançou.

Os primeiros vinham de forma aleatória e sem objetivo, como se estivessem sendo empurrados pelos de trás.
Derrubamos facilmente quase cem deles. Porém vieram os mais espertos e nos atacavam de forma mais precisa e estratégica, fazendo ataques a distância com arcos toscos e investidas com lanças. Com isso quebraram nossa formação de defesa nos dividindo.

Pouco a pouco fomos nos distanciando e o inimigo ganhava terreno.
Vi que Lins conseguiu subir em uma coluna que estava quebrada pela metade e atacava os esqueletos lá de cima com sua besta.
Tarmaruk abria caminho com seu machado, golpeando e arremessando os inimigos. Eu desferia golpes de maça enquanto tentava me movimentar afim de nos reagruparmos.
Não sei se era efeito do cansaço, mas os inimigos pareciam se multiplicar a cada golpe e começamos a tomar dano.
Primeiro acharam um ponto fraco no posicionamento de Lins e a atacaram pelas costas. Três virotes atacaram sua retaguarda, dois no dorso e um na coxa. Ela caiu de joelhos, mas não desceu de seu posto.
Por outro lado, o anão bárbaro escorou em uma parede, protegendo suas costas. Porém esqueletos armados com lanças avançaram em sua direção.  Sem ter espaço para recuar ou se esquivar ele foi perfurado no ombro esquerdo, abdômen e joelho. Quando caiu, uma leva de inimigos saltou sobre seu corpo. Antes que eu pudesse ver o que aconteceria com ele, senti uma lâmina cortar minha carne na região das costelas. Um golpe atingiu um espaço entre os ligamentos de minha armadura.
Senti uma dor lacerante e no impulso, soltei a maça para apalpar o ferimento. Os inimigos perceberam esse momento de fraqueza e avançaram sobre mim. No reflexo coloquei meu escudo na frente e senti as pancadas no metal. Cada uma mais forte que a outra me fazendo recuar passo a passo.
Minha frente estava protegida, mas meu flanco não. Um dos esqueletos me atacou pelo lado com uma lança.
Uma dor aguda agora propagava do lado oposto do primeiro ferimento. Perdi a concentração e abaixei a guarda. Múltiplos golpes me atingiram, mas a maioria parava na armadura. Com o escudo baixo pude ver que Lins fora derrubada da coluna e o machado de Tarmaruk estava de posse de um dos esqueletos maiores, mostrando que o bárbaro havia sido derrotado.
Uma onda de raiva e desespero tomou conta do meu corpo. Soltei um grito seguido de um golpe em forma de arco que desferi com o próprio escudo. Inimigos foram ao chão no raio daquele semicírculo a minha frente, era tudo o que precisava.
Largue o escudo no chão e peguei com as duas mãos o símbolo de Kradór que pendia do meu pescoço. Ergui-o no ar e entoei a oração de expulsar mortos-vivos.
– Poderoso deus da rocha! Seja o senhor a luz pura nessa caverna escura. Por Kradór!
Nesse momento feixes de luz dourada saíram do símbolo em minhas mãos e inundaram toda antecâmara. Alguns deles atingiram os esqueletos e esses transformavam-se em pó na mesma hora.
Os outros fugiram assustados, entrando pelas fendas e buracos na rocha. Em minutos o salão estava vazio, restando apenas meus amigos não chão.

Continua…

O Tomo De Kradór Nona Parte

Versão: 03 de novembro, 2017 ▪ Autor: Rafael Alves ▪ Páginas: 11 pág(s) ▪ Downloads: 11

Revelações sobre o destino de Grim e um grande combate nessa parte de O tomo de Kradór.

 

Download - 4.4 MiB

 

 


Rafael Alves

Jogador/Mestre/escritor de RPG. Co-fundador da Associação Cultural Ethernalys.

Posts Recentes: