Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Oitava Parte)

Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Oitava Parte)

Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Oitava Parte)

Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Oitava Parte)

Revelações sombrias acerca do rei anão Brandór são reveladas na oitava parte de O Tomo de Kradór.  

Esse conto é sobre a busca de um tomo sagrado que foi perdido durante a batalha pela tomada da montanha de Duhan-Castil. Porém, no desenrolar da história, é mostrado outros aspectos como as galerias do reino, as classes e clãs que ali vivem e etc. 
É importante que o leitor conheça todo material sobre Duhan-Castil que está postado no blog moostache.com.br.
Leia diretamente aqui no blog, ou baixe para ler depois!

 

(…)

 

São poucas as fontes que contam o que realmente aconteceu e eu tive acesso a uma delas. O diário de Jorén.
Jorén foi um clérigo de Kradór que estava na linha de frente, ao lado do rei, durante todos os dias que se seguiram, antes e depois, da tomada de Duhan-Castil.
O clérigo nos conta em suas anotações que, mesmo depois de apaziguado e firmado o reinado de Brandór, o rei em pessoa ainda fazia investidas em segredo nas fendas de Duhan.  Ele sabia que o mal ainda estava lá. Obviamente essas incursões eram sigilosas e com um grupo bem selecionado.

Jorén diz que as criaturas maléficas estavam em número muito maior que o exército anão. A batalha poderia durar anos a fio.
Foi quando um dia o rei mudou seu trajeto e veio para essa região onde estamos. Não se sabe se era uma tentativa de despistar os inimigos, pegando-os na retaguarda. Ou se era alguma informação privilegiada que ele tinha, que o levasse para outro ponto estratégico.

Independente dos motivos, Jorén e o resto do grupo o seguiu. No final da jornada eles encontraram um grande salão que tinha uma porta de pedra com o símbolo de uma aranha esculpida. Ali vários seres das trevas estavam de guarda, dentre eles orcs e trolls.
Houve então uma batalha épica entre os anões de Brandór e essas criaturas. O rei saiu vitorioso, mas de seu grupo, somente o clérigo Jorén e um guerreiro da confraria do machado chamado Grim, saíram vivos.
Os três abriram a grande porta, fazendo o símbolo da aranha se dividir em dois. Lá dentro era uma câmara de sacrifício e um grande altar estava disposto.
Atrás do altar um elfo negro com olhos amarelados e cabelos brancos estava de pé segurando um sabre de prata.
Adentraram mais alguns passos. O rei a frente, seguido por Grim e Jorén. Só então puderam ver mais seis elfos negros. Três de cada lado do primeiro que estava no centro, formando um semicírculo. Ambos estavam bem equipados e armados com sabres de prata.

– Eu sempre soube que poderia confiar nas palavras de um rei. -Disse o elfo a frente.

Jorén e Grim se olharam confusos. Brandór permanecia em silêncio. O elfo continuou:

– A primeira parte do acordo você cumpriu. Sacrificou seus melhores homens na antecâmara. Embora dois tenham sobrado.

Nesse momento Grim sacou seu machado e fitou Brandór.

– Do que ele está falando, majestade? Diga que essa aberração está delirando. – A voz de Grim estava carregada de ódio. O rei então falou:

– Foi preciso, Grim. Eles morreram para salvar o resto do nosso povo.

– Não acredito! – Gritou o guerreiro. – Não acredito que sacrificou seus homens! Eu cresci com aqueles anões, eles eram minha família!

No impulso, Grim avançou na direção de Brandór e nesse momento ele sacou a espada e apontou na direção de seu atacante. A ponta da lâmina parou a centímetros do pescoço do guerreiro.

– Eu ainda sou seu rei! – Disse Brandór com a voz firme e cheia de autoridade. – Abaixe seu machado… AGORA!

Grim recuou e o rei anão voltou-se para o elfo negro, dizendo:

– Quero suas hordas a quilômetros de Duhan-Castil, Telênos. Suas criaturas devem respeitar os limites de meu reino, para todo o sempre.

Mesmo recuando sob as ordens de Brandór, Grim não se conteve no silêncio:

– Está fazendo um acordo com o inimigo? Está fugindo da batalha? – A voz do guerreiro falhava de tanta revolta. Lágrimas escorriam de seus olhos e a última palavra daquela sentença saiu como um grito: – COVARDE!

Jorén olhava tudo aquilo assustado demais para dizer qualquer coisa. Apenas rezava à Kradór.

Brandór lançou um olhar de fúria para Grim.

-É o último aviso, guerreiro. Respeite seu rei!
– Você não é mais meu rei.

Dizendo isso virou as costas e saiu da câmara, passando pelos corpos de seus irmãos no salão de fora.

– Feinzar, vá atrás dele e mate-o. – Disse Telênos á um dos elfos que estava a sua esquerda. – A menos que seu rei diga que não.

Brandór nada disse e então Feinzar partiu em busca de Grim.

Jorén também não acreditava no que via. O rei acabara de se calar diante da ordem de matar mais um de seus homens. O que seria dele então?

O destino de Jorén era ainda pior, na visão dos clérigos. Ele nos relata assim:

– Vamos, Brandór. – Disse Telênos. – Cumpra sua outra parte do acordo.

O rei anão virou-se para Jorén, mas não havia ódio ou autoridade em seu olhar. Havia súplica.

– Jorén, preciso que me de seu livro de orações.

Era como se uma espada atravessasse o coração do clérigo. O livro em questão era conhecido como O Tomo de Kradór, uma coletânea de magias divinas que incluía até uma das mais poderosas, a ressurreição da carne. Uma oração que podia trazer os mortos de volta a vida. O tomo era uma relíquia muito valiosa tanto para o clero seguidor do deus Kradór quanto para Jorén, pois estava em posse da sua família há várias gerações.

Quando ouviu as ordens do rei o clérigo abraçou ainda mais o tomo em suas mãos. Recuou alguns passos até sentir que tinha esbarrado em algo. Olhou para trás assustado e percebeu que era um dos elfos que tinha se movimentado numa velocidade absurda e agora bloqueava a saída da câmara.

– Fujir é inútil, jovem clérigo. – Disse Telênos. – O elfo negro que está entre você e a saída chama-se Merídinus.   Ele é o ser mais rápido que já vi correr pela terra, se é que posso dizer que o vi de verdade. Pois os olhos não conseguem acompanhar sua velocidade.

Jorén soltou uma das mãos do livro e pegou sua maça. Afastou-se de lado deixando Brandór e Merídinus em seu campo de visão.
– Não deixarei que toquem nas palavras de Kradór. – Disse ele por fim.

– É uma ordem, Jorén. Entregue o tomo. -Falou o rei anão.

Merídinus ameaçou avançar novamente contra o clérigo mas Telênos disse:

– Ainda não. Deixe que resolvam entre eles. Pois são da mesma raça.

– Jorén! – Disse o rei dessa vez com autoridade na voz. – Entregue o tomo. – E caminhou em direção ao clérigo.

A vontade de Jorén era fraca e seu respeito por Brandór muito grande. Ele abaixou a cabeça e entregou o tomo ao rei enquanto lágrimas caiam de seus olhos. Ao pegar o livro Brandór tocou forte as mãos de Jorén tentando passar algum conforto ao seu fiel seguidor.

O rei anão levou o tomo de Kradór e o colocou em cima do altar.

– Está selado nosso pacto, Telênos. Que ele dure para sempre.

O elfo negro sorriu maliciosamente.
Brandór virou as costas e saiu. Quando passou por Jorén, colocou a mão no ombro do clérigo e o conduziu para fora.

Ninguém nunca mais ouviu falar daqueles elfos negros nem de Grim e Feinzar.
O destino continuou sendo ruim para Jorén. O choque dos acontecimentos fez com que ele perdesse sua capacidade de fala e com isso, não podia mais fazer orações. O clérigo se exilou nas montanhas geladas do sul, lar de Doukar o dragão gentil. Ele passou os últimos dias de sua vida registrando tudo o que seus olhos viram naquela guerra e nos dias após.

Depois de terminar meu relato percebi que Lins e Tarmaruk estavam com os olhos vidrados em mim. O bárbaro parecia ainda mais incrédulo.

– Não acredito que meu rei fez isso. – Disse ele.

– Com certeza ele teve seus motivos. – Disse a halfling. – Sacrificar alguns por um bem maior.

– Concordo com você, Lins. – Falei. – Eu também me sacrificaria de bom grado pelo meu rei e pelo meu povo. Grim era jovem demais naquela época e com certeza não entendeu.

Então nosso objetivo é chegar até essa câmara e encontrar o tomo? – Perguntou ela. – Com certeza os elfos o levaram se ele era mesmo tão valioso.

– Até onde sabemos, não. – Respondi. – Brandór não era tão ingênuo para confiar nos elfos negros, e contratou espiões para lhe informar das atividades do inimigo.
Quando tomaram posse do tomo eles o usaram para o objetivo principal que era a ressurreição de uma Arak-Tachna muito poderosa chamada Lamorin. Essa criatura é uma das muitas que estão nas fendas de Duhan. Depois disso cada um dos sete elfos queria usar o tomo para propósitos pessoais. Então discórdia surgiu entre eles. Discursões e desavenças se tornaram constantes até que uma guerra interna aconteceu, pois cada um tinha seu próprio clã e seus próprios soldados. Por fim o líder Telênos usando poderosas magias escondeu o livro em algum lugar na câmara e foi morto antes de revelar onde estava.
Depois de procurarem em vão e sem ter muito o que fazer naquele local. Os elfos que sobreviveram partiram para diferentes pontos do mundo.

– E depois que encontrarmos o tomo? Se o encontrarmos. – Perguntou Lins.

Eu me calei diante daquela pergunta pois a verdade era amarga. Foi então que Tarmaruk quebrou o silêncio:

– Vamos leva-lo ao rei pois ele está morrendo e precisará ressuscitar em breve.

Olhamos espantados para o anão.
A halfling pela revelação. Eu por Tarmaruk saber daquele segredo.
Ele continuou a falar:

– Poucos sabem, mas Brandór é um membro da confraria do machado, mesmo que de forma honorária. Ele nutre um grande respeito por nossa facção e visita nossos líderes com frequência. Todos nós sabemos que ele está doente e tem poucos dias de vida.

 

Continua…

O Tomo De Kradór Oitava Parte

Versão: 05 de outubro, 2017 ▪ Autor: Rafael Alves ▪ Páginas: 11 pág(s) ▪ Downloads: 12

Revelações sombrias na oitava parte de O tomo de Kradór.

 

Download - 4.3 MiB

 

 


Rafael Alves

Jogador/Mestre/escritor de RPG. Co-fundador da Associação Cultural Ethernalys.

Posts Recentes: