Duhan-Castil: O tomo de Kradór (Quinta Parte)

Duhan-Castil: O tomo de Kradór (Quinta Parte)

Duhan-Castil: O tomo de Kradór (Quinta Parte)

Duhan-Castil: O tomo de Kradór (Quinta Parte)

Personagens importantes aparecem na história e nossos heróis se embrenham ainda mais para as profundezas de Duhan-Castil.
Desafios estão adiante.

Esse conto é sobre a busca de um tomo sagrado que foi perdido durante a batalha pela tomada da montanha de Duhan-Castil. Porém, no desenrolar da história, é mostrado outros aspectos como as galerias do reino, as classes e clãs que ali vivem e etc. 
É importante que o leitor conheça todo material sobre Duhan-Castil que está postado no blog moostache.com.br.

 

(…)

 

Saímos daquela área mais barulhenta e passamos por celas mais tranquilas onde os prisioneiros estavam mais calmos e não demonstravam tanto interesse em nós.
Sempre que mudávamos de cenário víamos mais carcereiros. Todos os pavilhões estavam muito bem guardados, afirmando minhas palavras sobre “o lugar mais protegido do mundo”.
Lins parecia mais calma agora e observava cada detalhe.

Chegamos à uma porta de madeira e o guarda que nos acompanhou até ali parou e disse:

– O diretor aguarda vocês. Entrem.

Empurrei a porta e adentramos a sala. Um anão vestindo armadura prateada estava sentado atrás de uma mesa. Em outro canto da sala, um anão vestindo pouca proteção e com o corpo coberto de cicatrizes estava escorado na parede e com as mãos repousadas sobre o cabo de um machado de lâmina dupla.

– Enfim chegaram. Já estava vendo a hora em que Tarmaruk pegaria aquele machado e destruiria minha mesa de tanta ansiedade. Muito prazer, eu sou o diretor Wallizorn.

Ele estendeu a mão e eu o cumprimentei dizendo meu nome e apresentando Lins.

– Aquele no canto é Tarmaruk da confraria do machado. Ele disse que estava à espera de vocês para a “missão importante”.

“Então ele é o outro reforço”, pensei.

Tarmaruk saiu do seu canto carregando o enorme machado. Quando passou por mim meneou a cabeça em cumprimento, mas foi na direção de Lins que ele caminhou. Chegando até a halfling o anão ajoelhou apoiando-se em sua arma e então disse com uma voz forte.

– Senhorita, quero que aceite as minhas desculpas e as desculpas de todos da minha raça, por não chegarmos a tempo em suas terras e não termos prestado nosso auxilio. Eu mesmo fui um dos designados para socorrer as vítimas de Ortolíria, mas chegamos tarde demais.

Suas palavras eram carregadas de remorso e sinceridade e ele olhava diretamente nos olhos de Lins.
Ele continuou a falar:

– Quando Lurír me convocou para essa missão e disse que uma halfling de Ortolíria estaria presente, não pude deixar de vir e prestar meus serviços. Quero que saiba, senhorita Lins, que lhe entrego minha vida caso seja necessário, para que minhas desculpas sejam aceitas.

Lins o olhava com surpresa e chegou a enrubescer.

– Tudo bem. – Ela disse um pouco sem graça. – Espero que não tenha que morrer para fazer valer suas desculpas. Eu as aceito.

O diretor Wallizorn levantou-se da mesa e sua armadura prateada fez barulho.
-Bem, acho que já fiz minha parte. Recepcionei e reuni vocês. Agora, peço licença pois tenho uma prisão para administrar.

Eu puxei a fila, saindo da sala do diretor e caminhado para as profundezas da prisão. Enquanto andávamos pelas vielas cercada por celas, Tarmaruk se dirigiu a mim.

-Senhor Môrid, desculpe a indelicadeza por não ter te cumprimentado como se deve. Embora eu seja um bárbaro, não sou mal-educado como muitos generalizam.

Ele estendeu a mão e eu a apertei.
Durante o caminho fui atualizando Tarmaruk sobre o pouco que sabia.
Caminhamos até o limite da prisão que dava para a boca de um túnel rudimentar. Ali dois carcereiros faziam a guarda e dessa vez não nos pediram satisfação sobre nossa passagem. O bárbaro ao meu lado os cumprimentou com um aceno e percebi que já eram conhecidos.

-Vem sempre aqui Tarmaruk? – Perguntei.

– Com certa frequência. Nós da confraria do machado estamos designados a guardar o interior da montanha depois da primeira infestação.

-Primeira infestação? – Lins perguntou, quebrando o silêncio em que estava desde que saímos da sala de Wallizorn.

– Sim. – Respondi. – Essa montanha não foi totalmente tomada pelos anões de Brandór. As criaturas que não morreram foram acudas para as profundezas. Elas ficaram ali durantes anos, aguardando na escuridão. E um certo dia avançaram para os limites do reino e atacou nosso povo. Isso aconteceu por duas vezes. Por isso a Confraria do Machado foi convocada para guardar os cantos mais remotos de Duhan.

Lins escutava com atenção minhas palavras.

– Mas não se preocupe pequena. – Disse Tarmaruk. A região onde ouve as infestações está do outro lado da montanha. Embora desse lado ainda possa haver perigo, meu machado está aqui. – Ele sorriu.

 

Agora estávamos distantes da prisão de Duhan. Perambulando por cavernas sem nenhum sinal de civilização. Cada um de nós carregava uma tocha e andávamos com cautela.
Lins tomou a dianteira e Tarmaruk logo protestou alegando o perigo. Eu o expliquei sobre as habilidades da halfling e ele ficou contente e surpreso.

-Hã… quer dizer que a pequenina tem seus truques?!

Ela olhou para trás e esboçou um sorriso sem graça.

A halfling caminhava lentamente. Hora em linha reta, hora ziguezagueando. Sempre pedia que a seguíssemos da mesma forma, imitando os mínimos detalhes de seus passos. Em certo pondo do caminho tivemos que nos arrastar de barriga no chão, mesmo não sendo um local de teto baixo, por dezenas de metros. Essa última tarefa arrancou alguns palavrões de Tarmaruk, mostrando seu verdadeiro lado bárbaro e deixando sua cortesia para trás.
De repente Lins parou e abriu os braços como que dizendo para pararmos também. Entendemos sua mensagem e ficamos imóveis.

– Não podemos mais seguir pelo chão. – Ela disse séria.

– Como assim? – Perguntei confuso.

– Essas são “pedras da agonia”. – Ela apontou para o chão. – São como areia movediça, só que essas pedras além de engolir elas trituram tudo que cai aí. De uma forma bem lenta e agonizante.

Tarmaruk e eu nos olhamos assustados.

– Pelo visto não conhecem as pedras da agonia, né? – Ela disse aquilo sem olhar para trás, como se tivesse visto nossas faces horrorizadas.

– Como você as reconhece? – Perguntei.

– Pela cor.

Eu olhei para as pedras tentando detectar a diferença, mas era impossível. Como se fosse um calçamento, porém natural e todas as pedras no chão, embora tivessem formas, tamanhos e relevos diferentes, tinham cores iguais.
Antes que eu pudesse dizer isso olhei para Lins e ela estava com os olhos fixos e eles tinham um tom mais brilhante. Era obvio que estava usando algum tipo de poder para enxergar a diferença de cor de tais pedras.

– Nós vamos pelo alto. -Ela falou. Precisaremos de cordas, o máximo que tivermos.

Olhamos para o alto e vimos que tinham muitas estalactites. Gigantes fincos apontados para nós. Nesse momento Tarmaruk soltou mais uma série de palavrões aos berros e o eco vibrou nas paredes. Escutamos um estalo e Lins saltou para trás, quando de repente uma das estalactites despencou lá de cima e caiu no chão.  Em questão de segundos, as pedras da agonia começaram a mexer como se estivessem vivas. Elas se moviam como se abrissem uma abertura abaixo do grande finco e começou a tritura-lo. O som de atrito das pedras era aterrorizante e não demorou muito para que não sobrasse nada.

O Tomo De Kradór Quinta Parte

Versão: 22 de setembro, 2017 ▪ Autor: Rafael Alves ▪ Páginas: 10 pág(s) ▪ Downloads: 21

Desafios aparecem para os heróis que buscam o tomo.

 

Download - 3.7 MiB

 

 


Rafael Alves

Jogador/Mestre/escritor de RPG. Co-fundador da Associação Cultural Ethernalys.

Posts Recentes: