Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Sexta Parte)

Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Sexta Parte)

Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Sexta Parte)

Duhan-Castil: O Tomo de Kradór (Sexta Parte)

Na sexta parte de O tomo de Kradór os heróis precisam enfrentar as “Pedras da Agonia” para seguir em frente na missão. Será que sairão ilesos?

Esse conto é sobre a busca de um tomo sagrado que foi perdido durante a batalha pela tomada da montanha de Duhan-Castil. Porém, no desenrolar da história, é mostrado outros aspectos como as galerias do reino, as classes e clãs que ali vivem e etc. 
É importante que o leitor conheça todo material sobre Duhan-Castil que está postado no blog moostache.com.br.

Leia diretamente aqui no blog, ou baixe para ler depois!

 

(…)

 

– Me estranha dois anões não conhecerem sobre esse fenômeno. – Disse ela. – Vamos, preciso de suas cordas.

Retirei minha corda da mochila e passei para a halfling. Olhei para Tarmaruk e ele ainda estava pasmo, olhando para o chão que acabara de engolir uma estalactite. Ele não tinha nenhuma mochila e além do seu machado e algumas armas menores eu só via um cantil de pelo menos dois litros preso a sua cintura. Lins também retirou uma corda de sua bolsa e olhou para Tarmaruk, chegando a mesma conclusão que eu.

– É pouca corda. Teremos que nos balançar bem mais que o esperado. Tomara que esses fincos no teto aguente.

Falando isso a halfling pegou nossas cordas e começou a medi-las e corta-las. Transformou-as em seis pedaços. Depois pediu para que fizéssemos laços em uma das pontas de todos os pedaços. Nós seguimos suas ordens sem questionamento.
Para mim não era estranho seguir ordens, independente de quem as tivesse dado. Como cadete a hierarquia militar já havia me ensinado isso. E como um clérigo aprendemos acima de tudo a humildade. Eu reconhecia a liderança de Lins naquele momento.
Para Tarmaruk talvez fosse estranho. Não era do feitio daquele clã serem tão subjugados. Porém, eu sentia que aquele bárbaro realmente se via em dívida com Lins e toda Ortolíria.

Fizemos os laços conforme a halfling nos ordenou. Ela pegou dois pedaços de corda e com maestria laçou ao mesmo tempo duas estalactites, uma à frente da outra. Deu dois puxões para ver se estavam firmes e em seguida, soltou a corda que estava presa mais distante, mantendo a outra em sua mão. Tomou impulso e saltou balançando para frente e para trás movimentando seu corpo a cada balançada para pegar impulso. Quando sentiu confiança, pulou da primeira para a segunda corda. Nós lá debaixo a observava com admiração.

Na segunda corda Lins aguardou paciente até que ela parasse totalmente e depois, de uma forma acrobática, movimentou seu corpo de forma a enrolar-se pela cintura e em uma das pernas. Eu já visto trapezistas fazendo aquilo com uma fita de tecido em espetáculos circenses de praça.
Depois disso ela soltou as mãos e pediu que jogássemos os outros pedaços de corda para ela. De imediato Tarmaruk os pegou e jogou um a um. Ela agarrou todos e os acomodou em seu corpo, enrolando em seus braços, pescoço e cintura. Deixou uma delas na mão e laçou facilmente uma outra estalactite à frente. Testou se estava firme e logo depois se desenrolou da corda que a mantinha e começou a balançar para frente e para trás até tomar um bom impulso, logo em seguida saltou e se agarrou na terceira corda.

-Venham, um de cada vez.

 

Agradeci por cada minuto de treinamento e experiencia que tive como cadete e sem hesitar saltei para a primeira corda, aproveitando o embalo saltei para a segunda.
Vi surpresa nos olhos tanto de Lins quanto de Tarmaruk. Afinal eu estava equipado com uma armadura e mesmo assim, era como se estivesse tem peso algum.
A halfling repetiu o que fez anteriormente até saltar da última corda, caindo em terra firme do outro lado.

Chegou a vez de Tarmaruk e eu podia ver medo em seus olhos. Artes acrobáticas não fazia parte da gama de talentos bárbaros.
Ele saltou e agarrou a primeira corda, tarefa simples. Balançou para pegar impulso e então saltou, se agarrando a segunda corda. Soltei o ar de meus pulmões, sentindo um alivio momentâneo. Tarmaruk também riu aliviado. Apenas Lins permanecia tensa.

Novamente o bárbaro se balançou e saltou para a terceira corda e no momento que a agarrou ouvimos um “crek”. Tarmaruk caiu.
Quando seu corpo tocou o chão as pedras da agonia começaram a se revirar e uma abertura se formou e abocanhou as fortes pernas do anão. Quando os primeiros ossos dos pés e canelas foram triturados ele soltou um grito de dor que eu jamais esquecerei.

Meu instinto foi rápido e eu logo quis pisar naquelas pedras e tira-lo de lá. Porém, Lins me segurou.

– Nem se você tivesse a força de mil homens. – Ela disse olhando em meus olhos.

– Ele vai morrer. Não posso ficar parado assistindo! – Respondi, alterando o tom de voz sem perceber.
Tarmaruk continuava aos gritos. Agora seus joelhos haviam sido engolidos pelo chão de pedras movediças.

– Ele precisa sacrificar algo precioso, senão morrerá. – Disse a halfling.

“Claro” – pensei. – “Um sacrifício. Um preço a pagar pela própria vida.”

– Tarmaruk! – Gritei para o bárbaro. – Entregue seu machado.

Ele me olhou parecendo estar mais assustado com o que eu estava propondo do que com a própria situação.

– Jamais! – Respondeu ele. E sua voz era como um urro misturando a negação e a dor que estava sentido.

-É necessário. Precisa sacrificar algo. -Insisti.

Ele segurava seu machado com o braço erguido, como que numa tentativa de deixa-lo a salvo. Com a outra mão ele arrancava de seu corpo pequenos adereços como pulseiras colares e anéis. Mas todos eram recusados pelas pedras.

Quando Tarmaruk já estava enterrado até a cintura notei que Lins virou o rosto para não ver a morte do anão. Mas o que mais me chamou a atenção foi que o bárbaro ainda estava consciente. Se fosse qualquer outro ser naquela situação já teria desmaiado de dor ou desespero.

– Jogue o machado! -Disse num tom de ordem.

Tarmaruk sacou sua adaga e eu pensei “é melhor que essa adaga seja valorosa para você”. Porém, ao invés de jogar o objeto nas pedras movediças, ele enfiou a lâmina no próprio olho direito e arrancou o globo ocular, jogando-o no chão. Aquela cena nos chocou, principalmente pelo seu grito de dor.

De repente as pedras começaram a se mover no sentido oposto como que “cuspindo” Tarmaruk de volta para a superfície. Suas pernas estavam moídas até a cintura e ele começava a se arrastar em nossa direção usando apenas os braços.

Dei alguns passos com segurança em sua direção e estiquei minha maça para que ele segurasse. Quando segurou comecei a puxa-lo. Mesmo empregando grande força não tive muito sucesso, ele era muito pesado. De repente senti as pequenas mãos de Lins segurando o cabo da maça e me ajudando a puxar o bárbaro para o nosso lado. Em poucos minutos havíamos resgatado nosso amigo e o escoramos nas paredes rochosas da caverna. Suas pernas e cavidade ocular sangravam muito. Ele morreria se não recebesse os primeiros socorros com eficácia.

Lins parecia ainda estar em choque e permanecia em silêncio. Olhava para mim como que esperando que eu fizesse algo.
Eu podia fazer.

Segurei o símbolo de Kradór que estava preso a cordão no meu pescoço e o ergui diante do corpo moribundo do anão.

– Um dia todos nós partiremos de mundo para nos juntar ao grande deus da rocha. Mas seu dia não é hoje, bravo Tarmaruk.

Depois de dizer aquelas palavras ergui minha outra mão na direção das pernas feridas e invoquei a cura através de minha fé.

– Poderoso deus Kradór, cure as feridas desse seu filho nascido da rocha, para que ele possa continuar sua missão nessa terra.

Minhas mãos brilharam num tom azulado e nesse instante o brilho passou para as pernas do bárbaro. A regeneração começou.
No início parecia lenta mas levou segundos para que a cura fosse completa.

Tanto o Tarmaruk quanto Lins estavam espantados com aquela minha manifestação de fé.

– Seu olho eu não posso trazer de volta pois foi um ato de sacrifício. Mas fiz cessar a dor e o sangramento.

Tarmaruk assentiu com a cabeça.

– Seu machado. Por que não o soltou? É apenas uma arma que você pode comprar em qualquer ferraria. Ele vai mais do que seu olho? – Perguntou Lins.

– Sim, pequena. – Disse o bárbaro. – Nós da confraria do machado temos um amor incondicional por nossas armas. Aprendemos desde criança que o machado é nosso melhor amigo e jamais devemos abandona-lo. Nós o respeitamos tanto quanto um filho respeita o pai ou quanto um clérigo respeita seu deus.
Ele disse a última frase olhando para mim.
Eu conhecia a devoção dos anões da confraria por seus machados e compreendia aquele sentimento.

– Obrigado mestre Môrid. Te devo uma.

– Agradeça a Kradór. – Respondi.

Depois de recuperados dos acontecimentos continuamos a caminhada. Acendemos nossas tochas e dobramos a cautela. Lins ia sempre na frente detectando armadilhas e nos dando ordens: “Não pisem ali”, “Venham por aqui”, “Passem abaixados”.

Nós seguíamos à risca suas instruções.

Tarmaruk voltava aos poucos com seu bom humor. Lins tinha rasgado uma tira de suas vestes e dado ao bárbaro para usar como tapa olho.

– Quando encontrarmos esse tal tomo até eu vou querer lê. E olha que não gosto nem um pouco disso. Mas para essa coisa está escondida aqui em baixo, tem que valer muito a pena.

Lins e eu sorrimos, numa tentativa de animar o anão.

 

(Continua…)

O Tomo De Kradór Sexta Parte

Versão: 28 de setembro, 2017 ▪ Autor: Rafael Alves ▪ Páginas: 11 pág(s) ▪ Downloads: 28

Na sexta parte do conto conheça as pedras da agonia.

 

Download - 4.2 MiB

 

 


Rafael Alves

Jogador/Mestre/escritor de RPG. Co-fundador da Associação Cultural Ethernalys.

Posts Recentes: